Pedro Neto

Pedro Neto

Pedro Neto é Publicitário formado pelo IESP Faculdades, professor Universitário na Faculdade Maurício de Nassau e pesquisador de Antropologia com mestrado em Ciências das Religiões pela UFPB. O colunista já assinou espaços em diversos portais do Estado, e atualmente escreve em nível nacional para o Portal da Revista 100 Fronteiras, do Paraná

Publicado em 14/03/2017 09h59
  • Tamanho da letra
  • A-
  • A+

Francisco ao Francisco

Quatro anos de papado e transposição do Rio se dão na mesma época

Há exatos quatro anos a fumaça branca era difundida pela chaminé historicamente instalada no Vaticano, na sala fechada onde há o conclave para eleição de um novo Sumo Pontífice, o novo Bispo de Roma, Papa e líder dos católicos de todo o mundo. Após a renúncia – não esperada pelos fiéis porém antecipada pelos estudiosos de Igreja – do Papa Bento XVI, a Igreja passaria a ter dois Papas, um Emérito que preferiu se resguardar, e um novo Pontífice.

Apresentado na sacada como é de costume e com honras militares, presença de principais líderes políticos e religiosos do mundo, era erguido ao Trono de Pedro o Cardeal da Argentina, Jorge Mario Bergoglio, cujo discurso foi pedir oração aos milhares de fiéis presentes à Praça de Sâo Pedro naquela ocasião histórica e especial. Discrepante, talvez, pois não se há notícia de que um Papa em sua ascenção ao título houvera se curvado à oração dos fiéis.

Isso já demonstrava o que haveria de vir nos anos posteriores. Discurso contra a homofobia, pedido de aceitação e perdão ao aborto, declarações teológicas a respeito de temas intensos no ambiente acadêmicos são marcos nesse papado.

 

Padrão de Vida

Mantendo padrão de vida discreto, o novo Papa fez questão de continuar residindo na pousada onde já estava hospedado durante as vésperas do Conclave. Fazia suas alimentações junto aos presentes – isso evita envenenamento. Sabendo dos desafios a serem enfrentados para uma nova configuração de Igreja e reformulação da Cúria Romana, impregnada de sábios e podres poderes, a missão do Papa do Fim do Mundo não é fácil. Sim, me refiro a esse termo pois o mesmo houvera dito quando de sua apresentação “Foram me buscar lá no fim do mundo para ser Papa”, se referindo à Argentina que fica ao final do Hemisfério Sul no Mapa Mundi.

Profecias

Há a profecia famosa de Sâo Malaquias, bispo de Armagh (Irlanda), no século XII foi descoberta em 1595 e trazia consido frases e desenhos referentes a todos os papas, até o último que havia visualizado. Não que seja o último papa da Igreja, mas o último que São Malaquias visualizou. Coincidentemente, símbolos e histórias de cada papa subsequente possuíam estreita ligação com o que houvera escrito o bispo na Idade Média. Por fim, um Papa Negro, o Papa do Fim do Mundo.

Não tema, o mundo não vai acabar, irei explicar: Nunca em toda a história da Igreja subira ao trono de Pedro um Papa Jesuíta, cujo hábito é preto. E o próprio ao assumir disse que veio do fim do mundo. Não que o mundo acabe, mas vemos ao longo desses quatro anos diversos tabus da Igreja sendo postos abaixo pelas atitudes e palavras do Sumo Pontífice.


São Francisco, o Rio

Na sexta-feira (10), com visita do Presidente da República Michel Temer e presença de grandes nomes da política paraibana e nacional, bem como do povo beneficiado e da sociedade civil organizada em seus diversos segmentos, foi inaugurada oficialmente a tão sonhada obra de Transposição do Rio São Francisco, ícone do sertão nordestino e apêndice de diversas campanhas políticas ao longo de séculos. A paternidade da obra, atribuo ao povo que será o beneficiado por essa benéfica conclusão. Saudações aos políticos e executivos que tiveram participação e efetivaram a obra para que seu ideal fosse alcançado: levar água ao povo.

Francisco a Francisco

Percebemos aqui uma ligação entre o Papa Francisco e o Rio São Francisco, além obviamente do nome: o bem do povo e a necessidade de doar-se ao próximo para que seja alcançado o objetivo do bem comum. Numa metáfora equilibrada, diria que sob as bênçãos de todas as lendas e mitos pagãos e cristãos o Rio São Francisco segue levando o nome do Santo da prosperidade e dos milagres inenarráveis, preconizando mais um milagre do Santo mais popular do Catolicismo: Igualdade de acesso aos benefícios da natureza.
“Irmão vendo, irmão Sol, Irmã Lua, rouxinol, sabiá, criaturas de Deus. Somos Obras de suas mãos”.

Essa coluna é especialmente dedicada a todos aqueles que nunca desistiram de seus objetivos e sonhos, em especial aos Jornalistas de nosso Estado da Paraíba, em nome dos quais saúdo os Jornalistas Joanildo Mendes e Onaldo Mendes.

- Ter estilo é ser autêntico.

Contato com este editor: falecompedrojpb@gmail.com

 


tags
Nenhum resultado encontrado.

Comentar

> LISTAGEM DE ARTIGOS


Exibindo 1-15 de 22 resultado(s).