Carlos André Cavalcanti

Carlos André Cavalcanti

> ARTIGO

Publicado em 19/01/2015 11h49
  • Tamanho da letra
  • A-
  • A+

O Charlie, a Nigéria, a pornografia

OS DIREITOS DO CHARLIE E OS DIREITOS DOS RELIGIOSOS

Me pronunciei na Rádio CBN no dia seguinte aos atentados recentes em Paris, mas complemento aqui.

Antes, a necessária ressalva: os muçulmanos não merecem a fama de terroristas que a falta de informações precisas está consolidando no Ocidente. São, em sua imensa maioria, gente pacífica vivendo e lutando pela vida, como nós, como a humanidade quase toda, diga-se!!


Nenhuma charge no mundo, nenhum texto, nenhuma palavra dita, escrita ou mesmo pensada pode justificar a atrocidade cometida pelos falsos corajosos que entraram numa redação de jornal armados até os dentes e mataram 12 pessoas. Espero que a organização que planejou o ataque seja devidamente julgada e punida. Ponto pacífico....
E sobre a liberdade de expressão?


Para evitar a exposição infantil a cenas inapropriadas nas bancas e em outras fontes de imagens, mas também para fortalecer a democracia diante de radicalismos moralistas e religiosismos anunciados como se fossem a lei nacional (vejam no texto agregado, por exemplo) que costumam chamar ditadores, é preciso saber classificar a produção jornalística dos chargistas como se faz com a artística....


Uma charge como esta acima, notoriamente agressiva para os cristãos e que já foi até para a TV "desfocada" (!!!!????), tem que ter o mesmo controle e, simultaneamente, o mesmo direito que é dado aos que produzem/curtem pornografia. Ou seja, circulação restrita - sem exposição pública - para adultos que assim o desejarem, mas garantida como direito INALIENÁVEL à livre expressão e ao livre ato de escolha numa república laica.


Para mim, isto é mais simples e mais claro do que parece.


Penso que esta é uma posição condizente com os princípios da Diversidade Religiosa, que garante a liberdade de expressão religiosa e combate a intolerância religiosa a um só tempo. Da mesma forma que a DR defende terreiros afros, imagens de Maria, reuniões wicca e centros espíritas, vejo nas imagens dos Orixás, da Virgem Maria, de Jesus, de Maomé ou de Kardec, para ficar nestes exemplos, patrimônio simbólico das religiões, a ser respeitado em sua dignidade, ressalvada a liberdade de expressão para os que busquem descaracterizações das mesmas fora da tradição antropologicamente reconhecida em termos consuetudinários, mas restritivamente aceitas apenas para consumo privado, como no caso da pornografia.


Isso tudo precisa de debate e normatização para que se evite que as intolerâncias mútuas saiam da porta da rua e adentrem a cultura brasileira para sempre....
Por uma LEI NACIONAL DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO E DA DIVERSIDADE RELIGIOSAS!!

*******

LONGE DO CHARLIE, MAIS INTOLERÂNCIA RELIGIOSA. SEM REPERCUSSÃO....


As empresas de comunicação não mandarão seus operários cobrirem este assunto com intensidade (ver ilustração abaixo).


Afinal, quantos bilhões estão em jogo na Nigéria? Há pouco interesse porque há pouco dinheiro em jogo. Quanto mais as corporações podem lucrar com a paz na Nigéria? Quase nada. A ganância patológica do atual modelo de capitalismo olha para estes mortos negros, cristãos e pobres e.... comove-se por um segundo antes de.... virar o rosto.

O sistema não nasceu assim, mas perdeu sua ética e degenerou-se em algo inviável para o futuro ecologicamente equilibrado da humanidade. Seu discurso humanitário de hoje é um arremedo cínico do denso conteúdo moral que já teve nos séculos iniciais, marcados pelo pensamento vibrante de religiosos e pensadores liberais diante do envelhecido modelo medieval das senhoridades.


Simples assim. Duro como é dura a história da humanidade.


Da contradição ética cada vez mais escandalosa do uso dos meios de comunicação por "eles", nasce a esperança de dias melhores para uma Liberdade de Expressão que inclua TODOS os grupos sociais!!!!!!!



 


tags
Nenhum resultado encontrado.

Comentar

Bookmark and Share