Renato Caldas

Renato Caldas

> ARTIGO

Publicado em 14/04/2015 13h40
  • Tamanho da letra
  • A-
  • A+

Passado e Presente

Muitas pessoas se refugiam no passado por medo do futuro. Mas é difícil desfrutar os prazeres da vida e construir a própria sorte quando se acredita que apenas nuvens de tempestade estarão à espreita.


Todo medo é uma insegurança em relação ao que está por vir, afirma Oscar Wilde, mas, já que o futuro é aquilo que ainda não aconteceu, o único oráculo confiável para cada pessoa é ela mesma. O que quer que aconteça não cairá do céu: será o resultado de    milhares de decisões que você mesmo toma a cada dia.


Nossas expectativas condicionam o futuro ao regerem nossas atitudes cotidianas, afirma Allan Percy, mas podemos ver o mundo de maneira positiva e substituir o medo pela vontade   de   construir o que queremos ser.


O homem que se ocupa do passado não merece ter presente. Uma tradicional narrativa Zen conta que um homem certo dia caminhava pela selva quando deu de cara com um tigre feroz. Correu o máximo que pôde, mas logo chegou à beira de um precipício. Desesperado, escalou uma videira e ficou pendurado sobre o abismo.


Enquanto estava suspenso ali, duas ratazanas apareceram e começaram a roer a árvore. De repente, o homem viu um cacho de uvas. Arrancou e as levou à boca. Eram as mais deliciosas que ele já provara na vida!


Essa fábula ilustra quanto é difícil nos atermos ao presente. Quem passa a vida remoendo erros do passado e projetando os medos e desejos em relação ao futuro acaba por descobrir, no leito de morte, que a única coisa que possuía eram os momentos que deixava fugir das mãos sem desfrutar.


Como Oscar Wilde, tenha consciência de que o passado pode nortear decisões extremamente importantes, desde que não se transforme numa sombra que obscureça o presente.


O guru indiano Osho dizia que é difícil nos livrarmos do passado pela simples razão de que nosso passado somos nós mesmos. Quando nos perguntam quem somos, a resposta é um conjunto de lembranças.


Para nos livrarmos do passado é preciso olhar para a frente e decidir que um determinado fato, mesmo que tenha acontecido nada tem a ver com o que somos agora.

O filósofo Alan Watts afirma que é o presente que determina o passado, e não o contrário. O tempo flui do presente para o passado. Estamos ligados a uma corrente de acontecimentos   que se diluem com o passar do tempo, como o rastro que um   navio deixa na água ao navegar. À medida que a embarcação avança   a espuma vai se dissipando.


O importante é ter claro que não é o rastro que define o curso do navio, e sim as mãos que o pilotam. O que o presente pode oferecer para alguém, de qualquer forma?

Até mesmo um prêmio não teria nenhum significado se no dia seguinte levássemos a mesma vidinha de sempre.

A expectativa do que poderá resultar é que dará o verdadeiro significado ao prêmio.


No seu livro Não Leve A Vida Tão A Sério, Hugh Prather afirma que a felicidade em geral é sentida como antecipação, ao passo que o sofrimento nos leva ao presente.

Normalmente, nossas mentes, afirma ele, são tão barulhentas que poucos escutam o silêncio da serenidade e da paz, única possibilidade de viver o presente e nada mais.

De acordo com Kafka, não podemos retornar ao passado, quando muito podemos evocá-lo com a mente para entender os caminhos que tomamos.

O que fizemos corretamente fica como nossa herança. E aquilo que fizemos de errado já não pode ser desfeito. A poeira do tempo irá cobri-lo até apagar seu rastro.

A única coisa que temos é o trajeto da vida, uma viagem felizmente sem retorno, já que, assim, somos obrigados a tomar decisões corajosas.

“Só se vive uma vez, mas, se você o faz bem, uma vez é suficiente”.

Limpe o passado para construir o presente.

No seu livro “Louco por Viver”, Roberto Shinyashiki, diz que “você nunca poderá viver o presente e planejar o futuro se deixar  o passado  constantemente tomar conta de sua mente e travar  suas    decisões.

Está difícil se desapegar dos erros e falhas do passado?

Então saiba que mantê-los vivos só vai encher sua mente de tristeza e frustação.

Somente quem se liberta das dores do passado pode viver o presente e construir o futuro.E quem decidiu ser louco por viver   não tem mais tempo para se ocupar com o passado.

Então, limpe sua mente, libere-a daquilo que não é saudável e útil para sua realidade de hoje, pois isso só atrapalha sua caminhada.

Liberte-se de tudo que tiver potencial de virar obstáculo fantasioso.

Se quer ser feliz, tudo de ruim que você traz do passado precisa ser abandonado. É página virada, é capítulo encerrado, não tem de estar emperrando seus sonhos.

A maneira como você vê o futuro é que vai levá-lo a esse lugar.

Portanto, limpe sua mente da tristeza, da frustração e da depressão que você traz do passado e tenha uma visão de futuro   que seja o que você quer, e não o que não quer.

Ninguém tem poder ou riqueza bastante para mudar   ou desfazer o passado. O que se foi não tem remédio. E ninguém terá riqueza e felicidade suficientes se não se desvincular do passado. Por isso abra espaço para caber felicidade no seu coração e riqueza na sua vida.

Renato Caldas Lins
Professor e Escritor
Lins.rc@hotmail.com
    
    
    
    


tags
Nenhum resultado encontrado.

Comentar

Bookmark and Share