> NOTÍCIA

Publicado em 12/09/2018 10h40
  • Tamanho da letra
  • A-
  • A+

Estudante campinense ganha prêmio internacional com tijolo sustentável

O Tijopor foi idealizado e desenvolvido por Daniel Pessanha, estudante de Engenharia Civil da UNINASSAU em Campina Grande.

Por Leonardo Guilherme Leite

Foram mais de três anos de pesquisa para finalmente chegar a um produto pronto com a promessa de revolucionar o mercado da construção civil no Brasil e no mundo. O resultado é o Tijopor, tijolo sustentável feito com isopor, gesso e uma quantidade mínima de água. O projeto foi idealizado e desenvolvido pelo estudante do oitavo período de Engenharia Civil, Daniel Pessanha que trabalhou na pesquisa e desenvolvimento do protótipo no Grupo de Pesquisa em Engenharias Gerais - NPEG da UNINASSAU, no campus Palmeira. O projeto nasceu da necessidade de desenvolver um tijolo sustentável que não passa pelo processo de queima, como um tijolo comum, além de impactar positivamente no meio ambiente.

 

A notoriedade do projeto veio com a aprovação da ideia no concurso Hackbrazil que, para os selecionados, é a primeira parte da Brazil Conference, evento que seleciona projetos com potencial de crescimento exponencial e busca solucionar problemáticas no Brasil.  Na oportunidade os aprovados para a Brazil Conference ganham apoio intelectual e financeiro a partir de mentorias, viagens e reuniões com possíveis investidores em negócios nascentes. Orientado pela professora Cristiane Rodrigues, Daniel conseguiu aprovação para participar do evento na universidade de Havard e estudar a ideia de negócio nos laboratórios do Massachusetts Institute of Technology – MIT, universidade privada de pesquisa localizada em Cambridge, Massachusetts, EUA.

 

Daniel está estudando e trabalhando no projeto do Tijopor internacionalmente, desde abril de 2018. O jovem de 22 anos já passou por países da Europa e América do Norte apresentando o projeto até que a sua apresentação na Brazil Conference rendeu umas das cinco primeiras colocações na colocação final para investimentos. Daniel relatou um pouco da experiência que obteve por causa da mentalidade empreendedora. “O evento foi fantástico, conversei com muitos investidores e pessoas influentes no empreendedorismo, foi realmente uma vitrine para os projetos. Mostraram caminhos e oportunidades para os finalistas de possibilidades de pós-graduação nas universidades de Harvard e MIT. O lugar (Harvard e MIT) transpira inovação e tecnologia, então deu realmente energia pra continuar nessa trajetória, tanto do projeto quanto nos estudos”, destacou.

 

Na Brazil Conference, todos os jovens empreendedores brasileiros tiveram a chance de participar de diversas palestras, em vários painéis. A mestre de cerimônias do evento foi a jornalista Mariana Godoy e o apresentador Luciano Hulk, o que deixou os jovens bastante empolgados. Entre as principais apresentações estavam: Dr. Dráuzio Varella; Fernanda Gentili; Lars Grael; Carlos Brito, presidente da Ambev; David Neeleman, fundador da Azul Airlines, entre outros. No final da noite, Daniel conta que assistiu a palestra de encerramento com a cantora Anitta, falando da sua trajetória e da sua vida como empreendedora no ramo musical na América Latina. Algumas figuras importantes na política brasileira também passaram pelo palco da Brazil Conference, a exemplo do pré-candidato à presidência da república, Ciro Gomes e a procuradora da república Raquel Dodge.

 

Planos para o futuro

Depois de toda preparação do projeto de universidade que já tem status de Startup Daniel já está na busca por investimentos externos aqui no Brasil. O estudante pretende em curto e médio prazo fechar parcerias com cooperativas e associações de catadores de resíduos sólidos, motivando-os a coletar o isopor que é destinado em locais impróprios. E ainda, conscientizar o poder público sobre a contribuição da sua empresa com os municípios na corrida pela sustentabilidade ao entrar em conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS que é uma problemática no Brasil.

Das pequenas as grandes empresas que trabalham com a matéria prima também podem fechar parcerias com o negócio a partir do descarte consciente viabilizando grandes quantidades de isopor, para uma atuação social de apoio mútuo. Para Daniel, com as métricas certas e metas atingidas a longo prazo, é possível que o Tijopor ganhe larga escala no Brasil e possivelmente no mundo.

Em agosto o estudante representou o brasil em eventos que aconteceram nas cidades de Washington, New York e New Jersey, tratando de problemas e soluções dadas pelos jovens acerca das 18 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU – ODS, a convite da própria embaixadora dos jovens na ONU, Susana Sakamoto, pela sua performance no application do evento.  A volta ao Brasil foi tranquila e para Daniel o momento agora é de realinhar novas oportunidades de investimentos e disponibilizar o produto no mercado brasileiro.

Fonte: Assessoria de Comunicação

tags
Nenhum resultado encontrado.

Comentar

Bookmark and Share