Des. José Di Lorenzo Serpa

Des. José Di Lorenzo Serpa

> ARTIGO

Publicado em 02/07/2013 13h46
  • Tamanho da letra
  • A-
  • A+

Fraternidade e Segurança

Duas condições deveras indispensáveis para a convivência humana, principalmente no mundo de hoje. A fraternidade ou irmandade ameniza os corações, pacificando nossos impulsos, clareando as nossas ideias, inclinando-as  para o bem comum.

A  ausência dela, da fraternidade, nos leva aos desentendimentos, conflitos e  até às guerras que a história registra através dos tempos.

De outro lado, a segurança, atributo  que desejamos desde tenra idade, pois, logo ao nascer, os médicos, enfermeiras e, antigamente, as parteiras, nos seguram e posteriormente nossos pais e em particular as nossas mães nos ensinam a equilibrar-se, ensaiando  os nossos primeiros passos.

A regra, portanto, é a segurança, sendo a insegurança  exceção. Conta-se que, num incêndio, um filho de 8 anos se joga do 8º andar nos braços do pai que se encontrava no térreo, tudo pela confiança depositada, e, deste modo, salvou-se.

Assim, como na vida individual também a encontramos na coletividade, na qual o homem cria mecanismos via instituições para se proteger. De um lado, os bombeiros como salva-vidas ou soldados do fogo e, de outro, policiais para nos proteger dos infratores.

Estas considerações nos vêm a propósito de uma notícia em jornal passada com o seguinte título: “Senado faz homenagem a Campanha da Fraternidade”.

Esclarece que o Senado realizou em determinado dia uma sessão especial para homenagear a Igreja Católica pelos 45 anos da Campanha da Fraternidade e, nesta oportunidade, com o tema “Fraternidade e Segurança Pública”. Sessão realizada numa quarta-feira, por sinal bem movimentada, proposta pelo senador paranaense José Neto e que durou uma manhã.

Estavam presentes o núncio apostólico Dom Lourenço Baldisseri e o Secretário-Geral da CNBB, à época, Dom Dimas Lara Barbosa.

Destacamos, pois, a contribuição da campanha da fraternidade para a formação da cultura e da solidariedade no Brasil há quase cinco décadas, ou seja, 45 anos.

    Des. José Di Lorenzo Serpa
     gdls@tjpb.jus.br
 


tags
Nenhum resultado encontrado.

Comentar

Bookmark and Share