Des. José Di Lorenzo Serpa

Des. José Di Lorenzo Serpa

> ARTIGO

Publicado em 11/11/2013 11h55
  • Tamanho da letra
  • A-
  • A+

Honesto

  Lá vai um homem de bem, afirmou alguém apontando com o indicador. Enquanto o citado homem atravessava a rua a passos largos, eu me perguntava: existe homem do mal? Pensava eu, na minha inocência, que todos os homens fossem honestos.

  Aos oito anos de idade, eis a minha primeira decepção. Enquanto Casimiro escrevia seus oito anos, eu, que nada tinha de poeta, achando que todos fossem honestos, repito – pensava que ser honesto era uma obrigação de todos, indistintamente.

  Conta-se que um filósofo de Atenas, ao meio dia, com uma lanterna acesa procurava um homem de bem. Mas, afinal, que se entende por homem de bem?

  É aquele que persiste no cumprimento dos deveres, agindo conforme  a lei e os bons costumes. Ultrapassadas a infância e a adolescência, já adaptado aos conceitos que os homens impõem aos outros, volto a pensar no assunto por ter lido nos jornais a aprovação de uma lei intitulada “Lei dos bons costumes”

  De imediato me pergunto: existe lei dos maus costumes?

  Responde alguém que não. Toda lei como todos os homens nasceram para os bons costumes. Ocorre que o batismo do seu nome indica a sua intenção e assim fica com o nome de Lei Áurea, Lei do Ventre Livre ou dos Sexagenários, para aqueles das antigas.

  Entendo que a finalidade da lei é permitir ao homem fazer ou deixar de fazer alguma coisa e assim tem sido desde remota antiguidade.


Des. José Di Lorenzo Serpa


tags
Nenhum resultado encontrado.

Comentar

Bookmark and Share