“Jesus” e o meu primeiro scarpin vermelho

Provavelmente, seja o último também. Bastou um dia me amostrando com o sapato novo e ele quase esfola os meus lindos pés acostumados com currulepe e alpercata. Primeiro que não gosto de nada prendendo os meus pés, meus dedos, unhas, etc e tal. Só uso tênis pra caminhar ou pra trabalhar quando tô com vergonha de ir com a mesma sandália todo dia, a semana toda, o mês todo, o ano todo…

Mas, você deve tá se perguntando o que “Jesus” tem a ver com isso. Você nem imagina o quanto. Primeiro, que, tudo que recebe o nome de Jesus parece dá certo. Quando eu era pequena, lá em Pombal, sempre que ia à igreja e não entendia nada do que se passava ali, uma coisa eu percebia: Jesus era um nome bonito, que me chamava atenção e me passava a ideia de uma pessoa boa que só queria o bem do outro.

E a partir dali, comecei a observar o nome de Jesus em tudo que é canto e até em gente. Em homem, na maioria das vezes. Mas, como na minha terra tudo é diferente, afinal, um lugar que tem uma filha batizada como Romye Schneider, sendo ela uma menina do sítio, no caso, eu, nada mais há de se estranhar, em relação a nomes.

Apoi, lá vai! Em Pombal, tem uma mulher chamada “Jesus”. Na primeira vez que mainha chamou esse nome, quase dou um passamento:

-Minha filha, vamos ali na casa de Jesus!

– Oxe, e ele mora aqui em Pombal, é?
– Sim – e pra meu espanto, ela não só sabia que Jesus era pombalense, como tinha o endereço – Descendo ali na rua Domingos Medeiros, como se fosse pro cemitério novo, entra à direita (esqueci o resto).

“Tranquila” como sempre fui, tava bem pouquinho ansiosa. Será que, finalmente, eu ia ficar frente a frente com Jesus? O que precisava fazer? Ficar de joelho? Foi quando escutei mainha sentenciar:

– Chegamos!

Minina, eu tremia mais do que motor de rural em estrada de barro e continuava com a ideia fixa de como me comportar na frente de Jesus.

– Precisa rezar? Qual a oração?

– Criatura, você tá variando, é? “Jesus” é o nome da dona da loja de sapatos que te trouxe pra escolher uns três pares.

Fiquei tão abestalhada com toda essa confusão, que nem prestei atenção quando ela falou dos sapatos. Até que a ficha caiu e aquele lugar passou a ter algo de sagrado pra mim. Comprar sapatos era um dos melhores momentos.

Em dia de compras, eu nem dormia de tanta felicidade. E confesso que passava a noite abrindo caixas e apreciando os meus presentes. E digo mais: ainda sou assim até hoje. O scarpin vermelho que o diga. Tanta coisa mudou de “Jesus” pra cá. Só uma coisa permanece igual: a caixa do sapato do lado da cama. É importante manter esse encantamento. Nem que no outro dia o sapato deixe os meus pés tudo estrupiado.

Só Jesus na causa e “Jesus” nas vendas!

Romye Schneider
São 28 anos de jornalismo (TV, rádio, assessoria) e a vida toda de munganga. Dessa mistura, saem muitas histórias engraçadas sobre o quotidiano, das observações da vida e do que lhe der no quengo e no juízo que ainda lhe resta.

10 COMENTÁRIOS

  1. Mulher, eu não me acostumo mais com sapato apertado e alto kkkkkk, sou feito índio, amo andar descalça, e pra trabalhar, só tênis e sandália baixinha. E pra variar, amo tuas mungangas kkkkkkk. Entrei na tua história, imaginando tua expectativa de encontrar com Jesus. Viajei contigo! Amei

  2. O que dá para sonhar em outro momento dá para chorar!! Afff odeio sapatos fechados e de salto! Nammmmmm!
    agora não duvido que Jesus será de Pombal viu!!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui