Os Corneteiros

No Brasil colonial, as mensagens epistolares, nem sempre alvissareiras,  eram transportadas em malotes por muares, percorrendo quilométricas distâncias. Chegavam às aldeias mediante  o sibilo especial da trombeta, de forma original de arco. Agora, conhecida por corneta.  Essa função civil era dividida com a militar, usada, ainda hoje, pelos Quartéis, especialmente nas solenidades e Ordens do Dia.  

O corneteiro atuava próximo ao comandante do Batalhão, nas situações de enfrentamento armado, que dele se servia para transmitir suas orientações de estratégia e táticas. Dois deles têm merecido registro nas nossas guerras pela Independência, por casos emblemáticos que imprimiram. Luis Lopes, estava ao lado do major Barros Falcão, nas cinco horas de fogo cerrado contra as forças lusas no Recôncavo Baiano, em julho de 1823. O plano do gen. Madeira de Melo se parecia perfeito, motivando o toque de retirada, pela parte dos brasileiros. Objetivava impedir o destroço total dos comandados. Claras notas as de Luis Lopes, ao contrário anunciam avançar, cavalaria, degolar!

Diferente o resultado da Batalha de Jenipapo, na Vila de Campo Maior, Piauí. Tudo se iniciou com o estridente som do corneteiro Manuel Rufino da Luz, ordenado pelo comandante Rodrigues Chaves, convocando imediata formação das tropas, no largo da Matriz local. Na ocasião da verdade nada deu certo, para o Regimento de Milicianos, diante da artilharia  do major João Fidié. Rufino, mulato criado na fazenda Carnaubeira, sob  bênçãos cristãs de seus proprietários, não largava o instrumento, apesar de não produzir qualquer efeito. Seu corpo é encontrado inerte, pela sua esposa Mariquinha da Conceição, no leito seco do riacho Jenipapo, estilhaçado, como que emitindo os últimos acordes e suspiro.  Foram clarinadas por um Brasil livre e independente, nunca para fins personalistas, por mero profissionalismo. Sobre tais significativos exemplos é que devemos nos debruçar, nestas bicentenárias festas.

Jornalista    

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             

 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

 

Inocêncio Nóbrega
Inocêncio Nóbrega Filho, nasceu no município de Soledade - PB. Economista, historiador e militante do Jornalismo, há mais de 50 anos. Ingressou na vida de escritor, com o lançamento em 1974, do livro Malhada das Areias Brancas., onde faz um levantamento histórico de sua terra natal. Sua mais recente obra é "Independência! No Grito e na Raça", onde faz uma retrospectiva da Independência do Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui